Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Como Ulisses.

por Fernando Lopes, 5 Fev 16

Sem razão aparente que não a de ser bom ouvinte, desde a juventude que me procuram com alguma frequência na qualidade de conselheiro sentimental. Aconteceu uma vez mais. Um amigo da minha idade, saído de um divórcio traumatizante queria que opinasse sobre as sereias que ocasionalmente se lhe cruzam no caminho.

 

Até os tipos de 50 anos são às vezes alvo da cobiça do mulherio. Sabemos bem como é lisonjeiro, nós que nos julgávamos afastados das lides amorosas para todo o sempre.

 

Mas nem tudo o que reluz é ouro, nem tudo o que parece é. Será que a rapariga está mesmo interessada em ti, ou não estarás a ser simplesmente alvo de um jogo de sedução inconsequente? Será uma miúda ou uma mulher? Estes qualificativos nada têm a ver com a idade, já fui confrontado com mulheres de 25 e miúdas de 50. Será que existem afinidades de gostos, interesses, a possibilidade de um projecto comum, ou é «apenas» sexo?

 

Disse-lhe para se guiar pelo coração e questionar-se sempre se não será melhor evitar mais um falhanço que termine em sofrimento, uma história triste para as memórias.

 

Como Ulisses, amarra-te ao mastro do navio e tenta não ouvir apenas o canto das sereias, mas como elas são verdadeiramente. Pode-se aprender imenso. Eu aprendi.

 

Aprendi por exemplo que nem convenções, casamentos, divórcios, filhos ou outras dificuldades são obstáculos para uma mulher verdadeiramente apaixonada. Se conseguires ver esse amor que tudo minimiza, que escala montanhas para te ter, uma mulher que te ama e que não desistirá perante nada, deves tentar.

 

Essas e só essas valem a pena, pelo menos para tipos da nossa idade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Conquistar o impossível.

por Fernando Lopes, 3 Fev 16

Apesar da minha já provecta idade estou disposto a arriscar tudo. No trabalho, na vida, no amor. Quem não se questiona permanentemente só vive uma parte do que lhe é destinado. Aprisionado neste mundo pequeno-burguês que tanto e tantos valorizam, penso com frequência nos caminhos que aqui me conduziram. Tens uma família, um carro grande, duas casas, algum dinheiro no banco, só te falta o camarote no estádio do Porto para seres igualzinho àqueles idiotas que tanto abominas. O que é que te trouxe aqui? Que partidas te pregou o destino? É mesmo isto que queres? Mereces o conforto que te calhou em sorte? Sonhador nasci e morrerei, basta-me conquistar o impossível.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Wish you were here.

por Fernando Lopes, 2 Fev 16

Nos meus passeios por Cedofeita, páro na esplanada em frente à Rua do Mirante. Anda por ali um cantor vadio, senta-se no chão, coloca uma caixa de sapatos à sua frente e toca. Com uma voz rouca, abraça-se à velha guitarra como se fosse uma bela mulher, e toca. Nirvana, Pink Floyd, está naquele enamoramento como se só existissem ele, a guitarra e a música. Gosto de o ouvir na esplanada, ao longe. Depois passo, dou-lhe uma moeda, um toque amistoso no ombro, um polegar para cima. Andei todo o dia a cantarolar o «Wish You Were Here».

Autoria e outros dados (tags, etc)

Na «Badalhoca».

por Fernando Lopes, 31 Jan 16

Porque não tenho outros filhos falta-me a referência. A minha é uma mistura explosiva de personalidades, tendo a sua, coisas em que é como eu e outras que são nitidamente da mãe. Ontem fomos dar uma volta ao fim da tarde para espairecer, uma vez que a gaiata de encontrava sobre stress com o seu primeiro torneio de vólei.

 

Da Avenida de França a Cedofeita são vinte a trinta minutos a pé, faz-se bem de mão dada com uma menina, a ver casas restauradas e cantar os últimos êxitos da pop.

 

- Vamos comer uma sandes à «Badalhoca» da baixa?

- Existe um sítio com esse nome? Que horror.

 

A mãe seria incapaz de entrar num local, afamado que fosse, por se chamar «Badalhoca». Foi o cabo dos trabalhos levá-la à Gusta da «Adega dos Caquinhos» em Guimarães, devido à fama – e proveito – de língua destravada da proprietária. Uma betinha.

 

Consegui que a criança entrasse na tasca e comesse com gosto um panado no pão. Única num estabelecimento repleto de adultos e espírito boémio. Eu, que sou um tipo do povo que se sente à vontade num restaurante chique ou numa tasca sebosa, quero proporcionar experiências alternativas à miúda. Tranquilizei-me porque vejo que tem muita da minha adaptabilidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esperem sentadas.

por Fernando Lopes, 29 Jan 16

Que cases. Que pareças o Brad Pitt de casaca. Que te mantenhas sóbrio durante o evento apesar de sentires que ali não pertences. Que sejas no mínimo um sucedâneo do José Avillez. Que sejas exímio na cama mas não tenhas fodido muitas gajas e sobretudo as amigas dela. De gatinhos que rasgam o sofá, cães que deixam uma poia no meio da sala e mesmo assim os aches fofinhos. Crianças, tens mesmo de gostar muito de crianças. O futuro são as crianças, mesmo as que gritam com cólicas durante seis meses seguidos.

 

Esperam isso de ti e até mais. Que nunca te sintas deprimido e tenhas sempre um óooptimo sentido de humor. Que não tenhas mau hálito. Que não te peides quando foste desterrado para a varanda fumar um cigarro. Que sejas executivo, mas quando chegas a casa te tranformes em canalizador, electricista, carpinteiro. Que percebas os anagramas do IKEA e montes uma estante BILLY com quatro componentes sem perder uma puta de uma porca. E que fique bem à primeira.

 

Que sejas uma espécie de «melhor amiga» e logo a seguir te transformes em Mr. Grey, possante, musculado e dominador.  Que te interesses por uma cena chamada «moda» que muda todas as estações. Que não gostes de futebol e cervejas, mas te comovas com ballet. Que atures os episódios das novelas.

 

Musculoso, tens de ser musculoso, um corpo em V e o pinto devidamente aparado. Que leves as crianças ao parque sábado de manhã enquanto a tua cara-metade aproveita para ter o seu tempo de qualidade com as amigas.

 

Que estejas sentado todo o dia à secretária fazendo complexo cálculo financeiro e isso não te provoque hemorróidas. Que conduzas um carro de 200 cavalos a 120 à hora, vás levar as crianças ao colégio e quando ela chega lhes tenhas dado banho, a roupa na máquina e o jantar a 5 minutos de ficar pronto. Assim ela sempre pode participar, tratando majestaticamente da salada.

 

Que faças tudo isto e a seguir possas discutir com profundidade o «Tractatus» de Wittgenstein. Esperam tudo isto, só não esperam que sejas tu.

 

Inspirado por esta cretinice coisa...

 

P.S. – Também me chamaram cretino. Provavelmente os cretinos andam aos pares, mas esta vitimização feminina já cansa. Socialmente é exigido demasiado a ambos os géneros, como se tivéssemos a obrigação de ser perfeitos. Não temos. E podem chamar-me cretino à vontade, é irrelevante.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Enquanto há tempo.

por Fernando Lopes, 28 Jan 16

Irritam-me sobremaneira as almas que dizem que fariam tudo do mesmo modo. Tenho arrependimentos quási infinitos, uma enormidade de coisas mudaria na minha vida se atrás pudesse voltar.

 

Entre elas está a relação com o meu pai.

 

Morreu com a idade que tenho hoje, demasiado velho para ser um amado dos deuses, muito novo para regressar ao pó. Como muitos pais e filhos, a nossa relação pautava-se por uma conflitualidade latente. Iguais em alguns traços fisionómicos e de carácter mas com um mar de diferenças em tantas outras pequenas coisas. Digo sem pudor que sou muito melhor pai do que ele alguma vez foi.

 

E no entanto lamento não ter tido tempo de podermos envelhecer juntos.

 

Ocorre-se-me esta prosa porque o disse hoje de viva voz, a um amigo com relação espinhosa como a minha. Tens uma segunda oportunidade, aproveita-a.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

Estupor da gaiata!

por Fernando Lopes, 27 Jan 16

No aniversário recente de um amigo, jornalista de méritos reconhecidos e acima de tudo uma excelente pessoa, tive o prazer de travar conhecimento com o Gonçalo Cadilhe. Para um turista com ambições a viajante é o mesmo que um muçulmano dar de caras com o profeta. O Gonçalo é um tipo discreto, com uma voz baixa, todo ele calma e suavidade. O meu oposto, já se percebeu.

 

Tendo-o ali à mão de semear, bombardeei-o com uma série de perguntas parvas a que já deve ter respondido um milhão de vezes. Em vez de me mandar bugiar foi extraordinariamente simpático e respondeu a todas as dúvidas. Já era admirador do viajante, fiquei também a sê-lo do homem.

 

Descobri nas redes sociais que será o guia de uma viagem à Namíbia. Parafraseando o saudoso Carlos Pinto Coelho, África- mãe, mãe-ventre, ventre-sonho, sonho-África. Por algo inconsciente, o meu fascínio por este continente parece interminável.

 

Cheguei à sala triunfante:

 

- Se o pai ganhar o euromilhões vai à Namíbia com o Gonçalo Cadilhe. Expliquei que era uma viagem de sonho, iria sozinho durante esses 15 dias.

 

- E tu aguentavas lá quinze dias sem ver a tua filha, ripostou a fedelha.

 

Sei que temos uma relação fortíssima, muitas vezes me senti um pinguim imperador, mas aquela autoconfiança excessiva caiu mal. Cortar um sonho ao pai? Achar que não sobreviveria sem ela uma quinzena? A Matilde é minha filha numa certa fragilidade e insegurança que partilhamos, raras vezes a vi tão afirmativa e segura do seu nariz.

 

Dei por mim a pensar que provavelmente estou a fazer um trabalho bom demais ao incutir-lhe autoestima, tanta que acha que não posso viver distante por um curto período.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

Má sorte ter nascido assim.

por Fernando Lopes, 25 Jan 16

Quem me conhece bem sabe que por detrás dos abraços, jovialidade, permanente boa disposição, está um homem que nasceu e vai morrer inquieto. Associam esta insatisfação, a ânsia que me consome, as mãos quase sempre transpiradas, à infelicidade.

 

Nunca me conheci doutro jeito, e de outro não quero ser. Dizem-me que na minha idade ainda posso ser feliz. Mas como? Coisas simples fazem-me feliz. Ajudar um amigo, festejar a vida entre quem me quer bem, o sorriso da minha filha são coisas que me fazem feliz.

 

O meu projecto, ou calvário se assim o quiserem ver, é abdicar de um frequente auto-contentamento, tendo em conta a felicidade de quem me é mais querido. Não podes pensar assim, dizem. Vais acabar velho e sozinho. Provavelmente têm razão, mas uma causa maior vale sempre o sacrifício.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Votar mata.

por Fernando Lopes, 24 Jan 16

Votar.jpg Numa passadeira a caminho da assembleia de voto

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pérolas.

por Fernando Lopes, 24 Jan 16

Ana de Amesterdam, Carla Romualdo, J. Rentes de Carvalho, Soliplass, são estrelas da blogosfera mesmo que o não saibam ou queiram assumir. De Rentes de Carvalho nem é preciso falar, a obra fala por si, é provavelmente o maior escritor português vivo. Ana de Amesterdam é muitas vezes brilhante, outras tão brutalmente sincera que dói. Carla Romualdo é de uma delicadeza na escrita, emotividade contida, capacidade de captar um momento, absolutamente única, de leitura indispensável. Uma princesa que escreve como tal. E depois temos Soliplass, que tenho o prazer de conhecer, e que apesar do breve encontro me inspirou profundo respeito e admiração.

 

O porquê está em postas como esta, «Um Presidente do Povo». A ler. Obrigatoriamente.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • golimix

    Já pensaste fazer disso profissão?Anda muita gente...

  • Fernando Lopes

    Cito-te um grande filósofo desconhecido:- Era capa...

  • soliplass

    Alinhas nisto carago? http://ancorasenefelibatas.n...

  • Fernando Lopes

    São «ajudas» simples, baseadas na sensatez e obser...

subscrever feeds