Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Olhos & Olhares.

por Fernando Lopes, 14 Fev 17

Quando falam comigo sobre algo sério ou pessoal, tendo a concentrar-me no interlocutor e no que me é dito. A forma como o faço, é, aparentemente, incómoda para muitos. Quando mais concentração a coisa exige, mais fixo os olhos do outro. Já se calaram de repente, afastaram-se incomodados, perguntaram-me se estava a tentar hipnotizá-los. Não vejo desconforto nisso, não me importo que me olhem nos olhos, nem entendo muito bem o factor que causa tal reacção. Para não ser deselegante, habituei-me a vaguear com os olhos. Hoje, quando me contavam algo de pessoal, aconteceu de novo. Acharão que lhes consigo ver a alma?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Passado resolvido.

por Fernando Lopes, 9 Fev 17

 

Quatro homens a falar de mulheres, eu mais a ouvir que a participar. Para maduros já todos há muito passados dos quarenta, há muito ressentimento no ar. Um porque a mulher o deixou, outro porque foi traído – embora o não diga todos o sabemos, outro ainda porque vive com a mulher que o quis, não a que ele queria. As gajas isto e aquilo, o azedume escorre, dor e frustração de par em par. Aquele não é certamente o meu filme, conservo memórias doces de todas as relações intensas que tive. Com uma namorei mais de um ano, outra nove, a minha mulher atura-me há quase vinte e quatro. Se tivesse de fazer um balanço, se isso fosse importante, só poderia dizer bem das «mulheres da minha vida». Amaram-me, amei-as o melhor que pude e fui capaz, fizeram de mim este tipo sem amarguras afectivas, quase tudo memórias arquivadas na pasta «ternura». Penso como deve ser triste, já entradote, conservar ressentimento, pensar que não gostavam verdadeiramente de nós, estar constantemente assaltado pelo medo e dúvida. Pode-se pensar que tive sorte, mas nisto dos amores, tens tanta sorte quanto és capaz de dar, no momento certo, à pessoa certa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Herança.

por Fernando Lopes, 8 Fev 17

 

– Talvez seja o nosso estado natural – disse Falcón. – Sermos originados por seres humanos complicados que não é possível conhecer. Somos sempre os portadores do não-resolvido, que depois acrescentamos com as nossas próprias questões irresolúveis, e que, por nosso turno, passamos à descendência.

 

Robert Wilson in «O Cego De Sevilha»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

Linguagem gestual? Nã, é só musical.ly.

por Fernando Lopes, 6 Fev 17

Quem tiver uma filha a esgadanhar a adolescência, provavelmente já se questionou se a miúda anda a aprender linguagem  língua gestual. Ah que bonito, a cria a respeitar a diferença, etc e tal. Nada disso. Aquela coisa que a tua filha e as amigas andam a fazer com as mãos, a cantarolar e fazer boquinhas, é, por assim dizer, uma espécie de «dobragem» com uma app chamada musical.ly. As crianças e pré-adolescentes usam-na para exibrir dotes coreográficos e de dobragem de voz. Se vires a tua filha a fazer momices como as aqui em cima, não dês demasiada importância, a criança não ficou maluca nem foi acometida por um sentimento solidário para com os surdos. É só musical.ly.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

O facebook é só para gente feliz.

por Fernando Lopes, 4 Fev 17

Sou de poucas publicações no facebook, não gosto de gente que, apatetadamente, está sempre feliz. Muitos de nós – para não dizer todos – levamos grandes chapadas da vida, mas essas nunca aparecem nesta rede social. Ora eu não gosto nada de faz-de-conta, de vender ou me iludir com algo que não existe. Já mais que uma vez fui chamado à atenção – curiosamente, apenas por raparigas – para não lhes perguntar como ia a vida nesta rede social. Uma em burnout, a trabalhar doze horas por dia, disse-me que o facebook não é para nada sério. Outra, com problemas pessoais e profissionais, quis desabafar através do messenger. Para o resto do mundo estava tudo bem. Não quero fazer parte de uma rede onde as pessoas não são mais que reflexo único da sua complexidade. Onde angústias e problemas são proibidos. Já entendi, e desculpem. Não temos problemas, nunca nos zangamos, estamos cheios de massa, somos lindos até quando acordamos. Que se foda o facebook.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

A nobre arte de ignorar.

por Fernando Lopes, 2 Fev 17

É sabido, este mundo está cheio de gente e situações pouco recomendáveis. Tens duas soluções: ou te transformas numa pessoa irascível e andas à chapada com meio mundo, ou ignoras. Alguém te ultrapassa pela direita e vira bruscamente para a esquerda obrigando-te a travar a fundo? Seria normal chamares nomes à mãe do senhor e buzinar a toda a força, certo? Ignora. O Costa lá da repartição é um filho da puta e tenta fazer-te a vida negra? Ignora. O teu companheiro(a) chegou a casa danado(a) e desatou a barafustar contigo? Em vez de partir para um mano a mano, ignora pá, ignora. O gajo do café está a dizer barbaridades sobre política internacional, e quase te apetece partir-lhe a cara? Ignora. Os factos, as pessoas, só têm a importância que lhes quiseres dar, se os ignorares não passarão de um breve e insignificante incómodo. Disse.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

Um armário cheio de coisas extraordinárias.

por Fernando Lopes, 1 Fev 17

Lá fora anunciam tempestade, pelas persianas o vento faz notar a sua intensidade uivando como só ele sabe. Escolhi um livro, e, na introdução, dou com a frase de Degas: «A arte é um vício. Não se desposa legitimamente, viola-se.». Penso como adaptaria o pensamento não à arte, mas à vida em geral. Viver, viver mesmo, é um vício. Sinto grandes angústias por minudências, choro com ridicularias, tenho fúrias com – e por causa – de gente que as não merece, vivo num permanente desconforto que é a essência da vida. Fiz tudo e nada fiz. Amei, revoltei-me, ensandeci, trabalhei, sonhei, bebi, tive medo, fugi, pensei. Mentiria se dissesse que faria tudo da mesma forma. Não. Fiz erros de que me arrependo, fui nobre algumas vezes, mesquinho outras tantas. Aprendi. Vivi. A minha vida é um armário cheio de coisas extraordinárias, pessoas extraordinárias, momentos extraordinários. Um armário infinito, onde espero continuar a armazenar tudo o que aprendi com ela. Com essa mesmo, a vida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Meu Deus, fui «piropeado».

por Fernando Lopes, 31 Jan 17

 

Confesso que já me não acontecia desde finais dos anos 80, início dos 90. Uma rapariga mandou-me uma piada ininteligível e uma tentativa de assobio – é por todos sabido que as raparigas que assobiam alto não casam. Olhei à volta para ver se era mesmo comigo, a moça sorriu com ar malandro. Ultraje! Procurei um bófia para fazer queixa, mas é sabido que as FdaP das autoridades nunca aparecem quando delas necessitamos. Queria seguir conselho dos camaradas do Bloco, ser o primeiro macho a apresentar queixa por ter sido piropeado. Senti-me ridículo e apercebi-me do que já aqui tinha escrito. Um piropo, desde que não seja ordinário ou vulgar, não traz mal ao mundo. Outra verdade é que os papéis de género já não são o que eram, nos dias de hoje uma mulher pode mandar uma piada a um homem sem que caia o Carmo e a Trindade por causa disso, e sem que o visado – neste caso o vosso humilde escriba – se sinta ferido, objectificado, sexualizado, e uma série de advérbios que a boa esquerda usa em circunstâncias análogas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

Pequenas Coisas.

por Fernando Lopes, 26 Jan 17

cadela&eu.jpg

 

Talvez esteja a ficar velho, talvez sábio, provavelmente nenhuma das duas. Se é certo que cada vez mais me distancio do e de quem me não agrada, fechando-me numa concha, também encontro alegria nas coisas mais inesperadas. Perto do local onde trabalho existe um pequeno pomar – no resto do país chamam-lhe frutaria – onde vou buscar maçãs ou laranjas para o lanche da manhã. Por lá circulam duas pequenas cadelas que mimo sempre que posso. Hoje, saído para comprar cigarros, ao regressar, a da da foto correu para mim a solicitar o carinho da praxe. Aquela coisa do animal sair do seu conforto para me cumprimentar, comoveu-me. Dali saí a assobiar, feliz por encontrar afecto numa cadelita. Pequenas coisas ganham valor de revelação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

É oficial, sou um querido.

por Fernando Lopes, 25 Jan 17

Quem, como eu, trabalha na área de RH tem de ter uma noção de serviço. Tanto quanto as regras – que importa cumprir e fazer cumprir – é fundamental ajudar o outro. Uma das minhas tarefas é apoiar novos pais e mães com a legislação, explicar os procedimentos administrativos e outros, esclarecer as dúvidas. Faço-o com enorme gosto, procurando sempre, dentro das regras, a melhor via para resolver todos os escolhos que a burocracia coloca. Recebo muitas vezes agradecimentos de pessoas auxiliei e de que me nem recordo. Hoje, uma nóvel mãe, enviou um email a agradecer o apoio prestado durante licença de maternidade. Chamou-me querido. Só fiz o meu trabalho, mas é sempre agradável vê-lo reconhecido. Querido? Sou eu, o tipo dos RH.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Henedina

    Parabéns! Benvindo a minha idade jovenzito

  • redonda

    Muito bem dito/escrito :)

  • redonda

    E com este texto lembrei-me do jogo do sisudo - eu...

  • Fernando Lopes

    Confesso que não sei avaliar, sei apenas olhar ass...

subscrever feeds